Dívida do Estado afeta pagamento do 13º em diversas prefeituras do Leste. Em Mantena, pagamento do mês foi realizado nesta sexta-feira.

Em Mantena pagamento do servidor público foi efetuado nesta sexta-feira, 30 de novembro

 

Nos últimos meses, prefeituras do Leste e Nordeste de Minas Gerais realizaram várias ações em função de crise financeira provocada pela falta de repasses do Governo Estadual para os municípios. As dificuldades financeiras afetam agora o pagamento do 13º salário em diversas prefeituras da região.

Pelo menos cinco municípios da região não têm previsão para pagamento da primeira e segunda parcela do 13º salário. Em Governador Valadares, maior município do Leste de Minas, a prefeitura informou que a primeira parcela não será depositada nesta sexta-feira e também não há previsão de data para que seja feito.

De acordo com a prefeitura, a dívida do Estado com Valadares ultrapassa R$ 120 milhões, situação que pode comprometer inclusive o pagamento do salário de dezembro dos servidores.

Em Mantena, o pagamento do servidor foi efetuado nesta sexta-feira, 30 de novembro, bem como os 50% restante dos funcionários da Educação referente ao mês de outubro. Em relação ao 13º salário, na próxima segunda-feira, o prefeito João Rufino estará se reunindo com a Comissão de Gestão, instituída pelo Decreto de Calamidade Financeira, para lidar com a crise nesse período, para tomar medidas visando contornar a situação e encontrar saídas para honrar os compromissos.

Em Resplendor, não há previsão para o pagamento do 13º em função da dívida de mais de R$ 9 milhões que o estado deixou de repassar ao município, segundo o prefeito Diogo Scarabelli. Ele também informou que o pagamento do salário de dezembro dos servidores também pode ser comprometido.

A Prefeitura de Aimorés informou que o pagamento do 13º salário está previsto para ser feito de forma integral no dia 20 de dezembro. Atualmente, a dívida do Estado para com o município gira em torno de R$ 10 milhões.

Em Teófilo Otoni, a Prefeitura também informou que não há previsão para o pagamento do 13º salário na cidade. “No caso de Teófilo Otoni já é normal não ter uma data fixada para o pagamento do 13º salário. O pagamento só é programado de acordo com o recurso disponível, isso após a quitação da folha do mês de novembro”, diz o comunicado da Prefeitura.

Vale do Aço

Em Coronel Fabriciano, a Prefeitura esclareceu que apesar da dívida de R$ 50 milhões do Estado com o município, a primeira parcela do 13° já foi paga aos servidores e a segunda está prevista para ser realizada no dia 14 de dezembro.

Já em Timóteo, o pagamento do 13º salário será feito integralmente no dia 20 de dezembro para aqueles que ainda não receberam. Isso porque na gestão do prefeito anterior, Geraldo Hilário, a primeira parcela do 13º foi antecipada ainda no primeiro semestre para os servidores que fizeram essa opção.

Em Santana do Paraíso, não haverá pagamento do 13° salário este ano, nem mesmo parcelado, segundo a administração. “Até mesmo o pagamento do salário de dezembro pode ficar comprometido. Pode ser que entre algum recurso nos próximos dias e mude este panorama, mas até então será dessa forma”, informou a Prefeitura por meio de nota.

Na maior cidade da região, o pagamento da primeira parcela do 13º foi feito nesta sexta-feira injetando mais de R$ 24 milhões na economia em Ipatinga. Apesar disso, em função da dívida de mais de R$ 110 milhões do Estado para com o município, a Prefeitura não tem previsão para o pagamento da segunda parcela do 13º, condicionando a liberação desta à regularização dos repasses estaduais.

O que diz o Governo

Em nota, a Secretaria de Estado de Governo (Segov) afirmou que o “Governo do Estado está em processo de discussão com os Municípios para firmar um acordo judicial que irá possibilitar os repasses dos valores devidos”.

com informações do G1